Categorias

Últimos posts

pelo encravado aparece quando está fraco e não consegue romper a pele. Quando isso acontece, tornam-se visíveis aquelas bolinhas avermelhadas e inflamadas que incomodam tanto.



Nas mulheres, as regiões do corpo mais comuns são a virilha, axilas, coxas e pernas, e nos homens, o rosto e pescoço. E quanto mais irregular o pelo, mais fácil de encravar.

As peles que têm maior tendência ao encravamento possuem pelos mais curvados que, ao crescer, encurvam-se e penetram novamente na pele, gerando uma reação inflamatória. As peles escuras apresentam mais essa característica.

Vilões dos pelos encravados
A depilação com cera tem lá suas vantagens, como durar mais que os outros métodos. Mas nem tudo é perfeito nessa técnica. O pelo é facilmente fragmentado na parte de dentro da pele nesse tipo de depilação, o que favorece o encravamento.

Para as fãs de roupas muito apertadas, uma má notícia. O atrito da pele com as roupas pode desencadear o encravamento. Vestir roupas muito apertadas obstrui a saída do pelo e não deixa a pele respirar. A principal vilã é a calça jeans, mas roupas íntimas de tecidos sintéticos também prejudicam o nascimento dos pelos. O ideal é usar roupas 100% algodão. Fique atenta!!

E quem não é adepta a hidratação, melhor rever os hábitos. A hidratação é muito importante para prevenir pelos encravados, já que a depilação com lâmina, por exemplo, agride muito mais uma pele que não estiver bem hidratada.

Vale lembrar que a pele oleosa pede hidratante oil-free (livre de óleo), para não entupir os poros, que produzem sebo em excesso. A dica é sempre usar hidratantes à base de ureia ou ácido lático após a depilação, que hidratam e renovam à pele. Esses ativos fazem uma microesfoliação e impedem a queratinização excessiva que aumenta a chance de encravamento do pelo.

Dicas para evitar os pelos encravados
- Faça uma leve esfoliação um dia antes da depilação. Repita a operação alguns dias depois.
- Use roupas folgadas e ventiladas sempre que se depilar. Isso também ajuda a evitar o problema.
- Evite comprimir a área da depilação e crie o hábito de usar bucha vegetal no banho.
- Quando o pelo está encravado, não tente retirá-lo, pois pode provocar mais inflamação. Além disso, não se deve manusear a região, porque é uma porta aberta para bactérias e fungos. Vale usar bucha vegetal. Se o pelo encravado estiver com uma inflação com pus, o ideal é procurar um dermatologista.
Por Natália Farah - Matéria extraída  do site Vila Mullher.

0 comentários
Compartilhe com os amigos

Veja essa matéria que super interessante sobre a FOLICULITE, que nada mais é que pelos encravados. Porém, há muito mais nesse quesito. Confira!

O que é a foliculite?

Foliculite é a inflamação de um ou mais folículos pilosos que pode ocorrer em qualquer lugar da pele aonde se encontrem os folículos. Também conhecido como pelo encravado.

Quais são os tipos de foliculite?

Foliculite pode ser de dois grandes tipos distintos: superficial ou profunda.

Foliculite superficial

A foliculite superficial, que costuma ser a mais comum, afeta apenas a parte superior do folículo piloso. Foliculite superficial pode ser:
  • Foliculite Estafilocócica
  • Foliculite por pseudômonas (foliculite da banheira quente)
  • Pseudofoliculite da barba
  • Foliculite Pitirospórica

Foliculite profunda

A foliculite profunda, apesar de mais rara, é uma espécie de complicação da foliculite superficial - podendo, inclusive, levar ao surgimento de furúnculo. Foliculite profunda pode ser classificada, ainda, em:
  • Sycosis barba
  • Foliculite gram-negativo
  • Furúnculos e carbúnculos
  • Foliculite eosinofílica

Quais as causas da foliculite?
Foliculite é causada por uma infecção viral, bacteriana ou fúngica dos folículos capilares. Geralmente, a causa mais comum de foliculite é a bactéria Staphylococcus aureus (estafilococo).
Os folículos estão presentes em todo o corpo, com exceção das palmas das mãos, plantas dos pés e membranas mucosas, como os lábios. Eles são mais densos no couro cabeludo. Se eles forem danificados, ficam mais sujeitos à infecção.
As causas mais comuns de danos ao folículo capilar incluem:
  • Lesão ao se barbear ou atrito provocado por roupas muito apertadas
  • Transpiração excessiva
  • Condições inflamatórias da pele, como dermatite e acne, por exemplo
  • Lesões gerais da pele, como escoriações ou feridas cirúrgicas
  • Curativos de plástico ou fita adesiva aplicados sobre a pele.

E quais são os fatores de risco?
Qualquer pessoa pode desenvolver foliculite, mas certos fatores pode tornar uma pessoa mais suscetível à doença. Estes incluem:
  • Condições médicas que reduzam sua resistência a infecções, tais como diabetes, leucemia crônica, transplante de órgãos e infecção por HIV/AIDS
  • Condições de pele pré-existentes, como acne ou dermatite
  • Trauma para a sua pele associada à lesão ou cirurgia
  • Uso de antibióticos para tratar acne
  • Corticoterapia tópica
  • Obesidade
  • Exposição a longo prazo para itens de vestuário que podem reter o calor
  • Exposição constante à água quente
  • Alterações Hormonais

E quais são os sintomas?
Os sinais e sintomas da foliculite dependem do tipo de infecção:

Foliculite superficial

  • Surgimento de pequenas espinhas vermelhas, com ou sem pus que se desenvolvem em torno de folículos pilosos
  • Bolhas cheias de pus que se rompem e formam pequenas crostas na parte de cima
  • Pele avermelhada e inflamada na região infeccionada
  • Coceira ou sensibilidade na região infeccionada.

Foliculite Estafilocócica

Tipo comum da doença, a foliculite estafilocócica ocorre quando os folículos pilosos são infectados com bactérias Staphylococcus aureus (estafilococos). É caracterizado por coceira, inflamação com pus e pode ocorrer em qualquer região do corpo que possua pelos. Quando afeta área da barba de um homem, é chamada de coceira do barbeiro também. Embora os estafilococos vivam na pele o tempo todo, eles podem causar problemas quando entram no corpo por meio de um corte ou outro ferimento, como arranhões ou outras lesões na pele.

Foliculite por pseudômonas (foliculite da banheira quente)

As bactérias pseudômonas proliferam em ambientes aquáticos em que os níveis de cloro e o pH não são bem regulados, como banheiras de hidromassagem, por exemplo. A infecção aparece entre oito horas a cinco dias após a exposição à bactéria. Este tipo de foliculite é caracterizada por erupções vermelhas que coçam e, mais tarde, por bolhas com pus que também costumam aparecer. Áreas que ficam úmidas por mais tempo são as mais propensas à infecção, como as áreas cobertas pela roupa de banho.

Pseudofoliculite da barba

Trata-se de uma inflamação que só costuma afeta homens, pois os folículos pilosos infeccionadas são os localizados na área da barba. Quando há foliculite, os pelos raspados, ao crescerem, se curvam e voltam para o interior da pele, processo que leva à inflamação e, às vezes, a cicatrizes na face e no pescoço também.

Foliculite Pitirospórica

Comum em adolescentes e homens adultos, este tipo de foliculite é causado por um fungo que causa inflamações avermelhadas, que coçam, nas costas e no peito. Pode afetar também o pescoço, os ombros, braços e a face.

Foliculite profunda

  • Surgimento de uma lesão maior, elevada e com pus amarelado no meio
  • Região afetada fica muito sensível e dolorida
  • Coceira
  • Possíveis cicatrizes
  • Pode haver, também, destruição do folículo piloso.

Sycosis barba

Neste tipo de foliculite, ocorre inflamação em todo o folículo piloso após o barbear. Pequenas inflamações aparecem primeiro no lábio superior, queixo e mandíbula. Podem aparecer constantemente com o barbear contínuo. Em casos mais graves pode deixar cicatrizes.

Foliculite gram-negativo

Costuma se desenvolver quando a pessoa usa antibióticos por longo tempo para tratar acnes. Surge principalmente no nariz. Esses medicamentos alteram o equilíbrio normal da pele, fazendo com que organismos nocivos se desenvolvam, como as bactérias gram-negativas. Na maioria das pessoas não há grandes problemas, principalmente após cessar o uso dos medicamentos. Mas elas podem se espalhar pelo rosto e causar lesões graves.

Furúnculos e carbúnculos

Ocorre quando há infecção com estafilococos. É uma inflamação inchada e bem avermelhada. Conforme a quantidade de pus no interior aumenta, a região se torna mais dolorosa. Quando as lesões são muito grandes, pode haver o surgimento de uma cicatriz futuramente. O carbúnculo é um aglomerado de furúnculos, que muitas vezes ocorre na parte de trás do pescoço, ombros, costas e coxas. São infecções mais profundas e graves do que um único furúnculo e que quase sempre deixam pequenas cicatrizes.

Foliculite eosinofílica

Acomete principalmente pessoas com HIV. É caracterizada por manchas inflamadas, feridas com pus, principalmente no rosto e, às vezes, nos braços, que podem coçar. As feridas costumam se espalhar e deixam as áreas afetadas mais escuras do que a pele normal. A causa exata da foliculite eosinofílica não é conhecida, embora possa envolver o mesmo fungo responsável pela foliculite pitirospórica.

Como buscar ajuda médica?

Muitas vezes, foliculite passam sem necessidade de tratamento. Caso você perceba que os sintomas não desaparecem e que a infecção está se espalhando, procure um dermatologista.


Como esclarecer minha situação na consulta médica?
No consultório do médico, descreva todos os seus sintomas, tire suas dúvidas e responda corretamente às perguntas que o médico poderá lhe fazer, que costumam ser:
  • Há quanto tempo começou a infecção?
  • Você já foi diagnosticado com outras infecções de pele?
  • Você costuma ficar exposto à água quente?
  • Os sintomas são ocasionais ou frequentes?
  • Você sente coceira ou dor ao tocar a área afetada?
  • Você tomou medidas caseiras para tratar os sintomas? E funcionou?
  • Você já realizou algum tratamento para estas lesões?
  • Você atualmente está em tratamento de alguma doença?

Como o médico diagnostica a foliculite?

O diagnóstico de foliculite é feito, basicamente, por meio de um exame físico e da observação médica. Testes laboratoriais feitos após a extração de uma pequena amostra das pústulas podem indicar qual a causa exata da foliculite do paciente. Saber se trata-se de uma infecção viral, bacteriana ou fúngica é fundamental para se definir o tipo exato de tratamento.


E quais são os tratamentos ou cuidados que posso fazer?

O tratamento para foliculite depende muito do tipo da doença:

Foliculite Estafilocócica

O tratamento pode ser com antibiótico tópico, oral ou uma combinação dos dois. Também pode ser recomendado alguns cuidados caseiros, como evitar raspar a área, até que a infecção sare totalmente.

Foliculite por pseudômonas (foliculite da banheira quente)

O tratamento se dá normalmente com loções para aliviar a coceira, antibióticos são receitados raramente.

Pseudofoliculite da barba

Cuidados caseiros bastam para tratar esse tipo de foliculite. Usar o barbeador elétrico pode ser uma opção para evitar que a infecção volte a ocorrer novamente. Ao se barbear, procure utilizar água morna, massagear os pelos para que eles fiquem mais amolecidos, ao passar o barbeador faça-o no sentido do crescimento dos pelos. E após terminar o processo, passe um hidratante.

Foliculite Pitirospórica

Para este tipo de foliculite, antifúngicos tópicos ou orais são os tratamentos mais eficazes e mais indicados pelos especialistas.

Sycosis barba

Compressas e aplicação de antibiótico local são os tratamentos mais utilizados.

Foliculite gram-negativo

Apesar de este tipo de foliculite ser provocado pelo uso prolongado de antibióticos, medicamentos tópicos deste tipo ainda são a melhor forma de tratamento, pois agem diretamente sobre a infecção bacteriana.

Furúnculos e carbúnculos

Para tratar esse tipo, o médico costuma drenar a infecção com uma pequena incisão para aliviar a febre e a dor. No caso dos carbúnculos, pode ser necessário usar antibióticos para ajudar na melhora dos sintomas.

Foliculite eosinofílica

Neste tipo de foliculite, os corticosteroides são o melhor tratamento. Em casos mais graves, é necessário entrar com a medicação oral também. Em pacientes com HIV, além dos esteroides tópicos, o médico pode receitar anti-histamínicos via oral também.

E como posso prevenir ter pelo encravado?

Embora nem sempre seja possível evitar foliculite, algumas medidas podem ajudar:
  • Evite usar roupas muito apertadas
  • Depile-se com cuidado. Aos homens, outra dica é usar um barbeador elétrico ou uma lâmina nova cada vez que for fazer a barba. Tenha cuidado especial para manter a área limpa e raspada para evitar arranhões e pequenos cortes
  • Mantenha banheiras sempre limpas.

Fontes e referência:

  • Revisado por: Dr. Francisco Le Voci, coordenador do Departamento de Cabelos da Sociedade Brasileira de Dermatologia
  • Ministério da Saúde
  • Sociedade Brasileira de Dermatologia
Matéria extraída do Portal Minha Vida.

0 comentários
Compartilhe com os amigos

Descubra a diferença de cada marca na sua pele


Pintinhas, sardas, manchas na pele, verruga.. são tantas marquinhas no corpo que nem sempre a gente sabe diferenciar uma da outra. Para esclarecer as diferenças entre elas veja a seguir e tire suas dúvidas!

Pintas
Como diferenciar pintas de manchas? Você deve analisar, principalmente, cor e textura da marca. As pintas costumam ser bem mais escuras, amarronzadas, e geralmente com um relevo, ou seja, dá pra você sentir a textura diferente sobre a pele. As pintas também podem mudar de formato e tamanho, mas a maioria das pintas não apresenta perigo. Só que é sempre bom estar de olho nelas!


Manchas
Também chamadas de sardas, essas manchas na pele são lesões em placa, que adquirem forma contínua e possuem tamanho maior em relação às pintas. Geralmente as manchas aparecem em locais mais expostos à radiação do sol, como no colo ou no rosto, por exemplo, principalmente na pele desprotegida de filtro solar.

Verrugas
Já as verrugas são bem mais salientes e incômodas. Ocorrem pela ação de um vírus, podendo até ser contagioso, mas não tem chances de virar um tumor. O recomendado por especialistas é retirá-las com tratamentos específicos. 
Por Jessica Moraes via site Vila Mulher.


0 comentários
Compartilhe com os amigos


CONHEÇA AS TÉCNICAS QUE NÃO ENVOLVEM RISCOS COMO A CIRURGIA PLÁSTICA.

3 tratamentos não invasivos para adiar a plástica

Graças ao avanço da tecnologia e aos aparelhos estéticos, a cirurgia plástica deixou de ser única ou primeira alternativa para quem quer mudar algo no corpo. Os tratamentos não-invasivos estão se consolidando cada vez mais no mercado, promovendo resultados satisfatórios para quem quer remover uma gordurinha ou amenizar linhas de expressão.

Entre suas principais vantagens estão o fato de não exigirem afastamento das atividades do cotidiano, o custo ser relativamente ais baixo e envolver muito menos riscos que um procedimento cirúrgico, motivos que só têm aumentado a procura por tais serviços.

Conheça os principais tratamentos não-invasivos e o que eles oferecem:

  • Criolipólise


A criolipólise é uma alternativa à lipoaspiração, uma das cirurgias plásticas mais realizadas no país. Ela conta com um aparelho que possui uma ponteira que resfria a gordura da área tratada e mata as células. Geralmente uma sessão é suficiente o resultado visível por cerca de três meses.


  • Toxina botulínica 


A toxina botulínica, conhecida como botox, é a alternativa mais popular no lugar da cirurgia feita para na pálpebra, a blefaroplastia, para levantar a região dos olhos  e acabar com as temidas bolsas. A substância ao ser injetada na pele paralisa os músculos. Ao impedir a contração muscular, a pálpebra se eleva e as rugas são atenuadas. Os resultados duram até seis meses.


  • Radiofrequência


A radiofrequência é uma tecnologia presente em aparelhos que, por meio da emissão de calor, estimulam a produção de colágeno e elastina, ou seja, não utiliza agulhas e é uma opção para fugiar da cirurgia, como a ritidoplastia, que corrige flacidez, perda de tônus muscular e gorduras indesejáveis da face. O tratamento pede de seis a dez sessões por área tratada e costumam durar até quatro anos.
Imagem By clinicauniplast.com.br


POR JESSICA MORAES DO SITE VILA MULHER



0 comentários
Compartilhe com os amigos


PEPINO ELIMINA OLHEIRAS? 
DESVENDE 7 MITOS DE BELEZA

A especialista Fernanda Sanches tira as principais dúvidas sobre a pele. Confira!!

Pepino elimina olheiras? Usar lâmina engrossa o pelo? Essas e outras principais dúvidas que rondam o imaginário feminino quando o assunto é beleza, você tira agora! Conversamos com duas profissionais de estética e saúde, a famarcêutica e cosmetóloga Fernanda Sanches e a dermatologista Geane Argolo, da clínica Dr. Família, que esclarecem os principais mitos.
pepino olheiras
Imagem By Istock/© kzenon

Pepino ou compressa de chá de camomila reduzem olheiras? 
Fernanda: O pepino ou o chá de camomila, geralmente são aplicados na área dos olhos quando estão gelados. Isso promove uma melhora instantânea da olheira, uma vez que o frio causa uma vasoconstrição, melhorando a circulação local. Porém, essa sensação é a curtíssimo prazo, pois não soluciona o problema.
Geane: Qualquer compressa fria ou gelada tem um efeito de vasoconstrição, que diminui temporariamente o calibre dos vasinhos de sangue que irrigam a região das olheiras e, dessa forma, reduz o aspecto escuro e o inchaço. Mas é um efeito de momento. Já as compressas com chá de camomila gelado têm, de fato, ação antiinflamatória e drenante --no caso de fazer algo em casa, elas são mais eficazes.
  • Conclusão: É mito. O efeito do pepino é apenas temporário!


Passar hidratante antes da maquiagem protege a pele?
Geane: Não importa se sua pele é oleosa ou seca, hidratar a pele antes da maquiagem é essencial! A pele depois de limpa, deve ser hidratada sempre com o hidratante ideal para cada tipo de pele. Além de deixar a pele saudável, o hidratante evita que a pele fique seca e opaca ou oleosa, mantendo todo o viço da mesma. Uma pele sem a hidratação correta faz com que a maquiagem dure muito menos, e fica com uma aparência nada agradável.
Fernanda:  Hidratar a pele normaliza as funções metabólicas, o que evita ressecamento, descamação, envelhecimento precoce e mantêm a integridade da barreira cutânea, protegendo-a de agressões do meio externo e preparando para a maquiagem. Portanto, é imprescindível o uso de um hidratante específico para cada tipo de pele, inclusive as oleosas, para manter o viço, firmeza e luminosidade da pele.
  • Conclusão: É verdade! Hidratar a pele é fundamental, inclusive antes da make!


Esfoliar a pele causa efeito rebote?
Fernanda:  O efeito rebote só acontece quando é realizada a esfoliação por mais de duas vezes na semana, pois desse modo, houve uma estimulação excessiva da renovação, não respeitando o tempo da renovação natural.
Geane:  A esfoliação é o procedimento certo para quem quer eliminar as impurezas da pele. No entanto, se feita de forma agressiva, a pele pode sofrer danos que resultarão em sentidos opostos dos necessários.  Se os tipos de pele são variados, os cuidados devem ser específicos para cada uma. 
  • Conclusão: Verdade, se feita da forma inadequada!


Cremes hidratantes funcionam melhor durante a noite?
Geane: Não que funcionem melhor, mas a noite é o melhor horário para cuidar da pele, pois não estamos mais expostos ao sol e podemos usar cremes à base de ácidos, clareadores e firmadores.
Fernanda:  A escolha do melhor hidratante está no tipo de pele a ser tratada, sendo que as mais secas e envelhecidas necessitam dos cremes e as mais oleosas necessitam de um hidratante mais leve,c como loções ou séruns. É indicado o uso de hidratantes duas vezes ao dia, pela manhã e pela noite, sendo um mito que o hidratante quando usado pela noite funcione melhor. 
  • Conclusão: Mito! O hidratante em si em a mesma potência em qualquer hora do dia.


Óleo corporal substitui creme hidratante?
Fernanda:  Depende muito da composição desse óleo. O ideal são óleos de origem vegetal, que são compatíveis com os lipídeos da pele, o que garante sua penetração na camada lipídica, devolvendo a hidratação. 
Geane: Apesar de mais prático, o óleo corporal tem uma ação mais superficial. O que o óleo corporal faz, na verdade, é criar uma película protetora para evitar a perda hídrica e, consequentemente, evitar o ressecamento, mas ele não consegue repor a hidratação, a “água” perdida. 
  • Conclusão: Mito! O hidratante nesse quesito é muito mais “potente”.


Depilar com lâmina engrossa o pelo?
Geane: A lâmina corta o pelo, ou seja, o fio não é extraído pela raiz. Naturalmente o pelo é mais fino na ponta e grosso na raiz, quando ele é cortado ao meio a parte que fica exposta é a raiz, por isso passa a sensação de que ele ficou mais grosso
Fernanda:  O que acontece é que com outros métodos depilatórios, como por exemplo, as ceras e o laser, ocorre um enfraquecimento do pelo. Já com o uso das lâminas, o pelo é cortado na metade de sua haste, onde é mais espesso do que na ponta do fio, porém o pelo não muda sua característica.
  • Conclusão: Mito! É só uma impressão de que ele é mais grosso, pois não é extraído totalmente.


Cosméticos em excesso causa espinhas?
Fernanda:  O aparecimento de acne está relacionado, muitas vezes, ao uso incorreto de cosméticos, principalmente cosméticos que não são indicados para o seu tipo de pele. A pele oleosa apresenta uma tendência maior ao aparecimento de acne, pois há uma produção de sebo em excesso, o que ocasiona uma obstrução dos poros e as bactérias em contato com esse sebo, produzem toxinas que geram um processo inflamatório com surgimento da acne. 
Geane: Eles podem contribuir com a obstrução dos poros, que provoca acne. O ideal é manter a pele sempre limpa e hidratada, mas sem exageros. Quem tem pele oleosa deve procurar produtos de textura leve, com fórmula oilfree – o que vale também para o removedor de maquiagem.
  • Conclusão: Verdade! O uso inadequado de produtos podem provocar acne.


Por Jessica Moraes do site Vila Mulher.

0 comentários
Compartilhe com os amigos

Saiba o que é FPS UVB e FPUVA e entenda qual a diferença entre eles.


Uma das dúvidas mais frequentes na hora de escolher o produto certo para se proteger do Sol é entender o que é e qual a diferença entre UVB e UVA.

E você sabia que o protetor solar não é só para praia e dias de sol?! O protetor solar deve ser usado diariamente, tanto no rosto quanto no corpo e com FPS - Fator de proteção solar - de no mínimo 15. Se a sua maquiagem já conter FPS, ainda assim, não deixe de usar um protetor solar para evitar o envelhecimento precoce.





Mesmo em dias nublados, em que as nuvens bloqueiam a passagem da luminosidade, os raios UVA e UVB continuam afetando a nossa pele. E isso explica a razão de ficarmos com a pele queimada mesmo nos dias de mormaço.


Entenda a diferença entre fator de proteção solar UVA e UVB:

UVB e UVA são os tipos de raios emitidos pelo Sol. Cada um é responsável por um determinado dano à saúde de nossa pele e embora os médicos sempre alertassem sobre eles, até alguns anos atrás eles não eram tratados com clareza pela indústria cosmética.

Para mudar isso em 2012 a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) estabeleceu novas regras para os protetores solares que tiveram que readequar suas fórmulas e rótulos.

Em meio as principais determinações estava a exibição clara no rótulo do FPS UVB e FPS UVA e o aumento da quantidade mínima exigida de cada um nos produtos.

O Fator de Proteção Solar UVB, ou somente FPS como é mais comumente encontrado nos rótulos, é o responsável por proteger a pele dos raios que causam as queimaduras na pele. Quanto mais alto for o FPS maior será sua proteção. Por exemplo, se você estiver usando um protetor solar fator 15, isso significará que você estará 15 vezes mais protegido contra as queimaduras solares caso não estivesse usando nada.




Já o FPUVA protegem contra os raios que causam manchas na pele, envelhecimento precoce e o mais grave, câncer de pele. De acordo com a nova regra, o FPUVA deve corresponder a pelo menos 1/3 do FPS do produto como, por exemplo, o protetor solar Avon Sun que possui FPS 30 e FPUVA 10,5. Antes dessa mudança os consumidores não sabiam se o produto continha FPUVA ou se era suficiente.



Além disso, hoje em dia devemos ficar atentos com a nossa pele, com o calor intenso e a radiação solar a proteção é fundamental para evitar manchas, queimaduras e até prevenir contra o câncer de pele. Muitos especialistas recomendam o uso diário do Protetor Solar para evitar danos e prejuízos à pele. O efeito do sol na pele causa muitos prejuízos a devem ser tratados por especialistas.



Saiba os efeitos dos raios UVA e UVB e veja as Dicas de Tratamento. Compilamos abaixo as orientações dadas pela Dermatologista que esteve no programa Bem Estar da TV Globo. 



Proteger a nossa pele dos raios  solares é essencial para mantê-las longe das manchas e outras doenças. Hoje em dia todas as pessoas devem usar o protetor solar, não importa a cor da pele, tanto os mais claros como a pele mais escura deve estar protegido.

Existem produtos específicos  para os diferentes tipos de peles, basta pesquisar ou seguir as orientações do seu médico. Também muitos acessórios são oferecidos no mercado para proteger a pele dos raios solares. Inclusive no verão, existem roupas adequadas para proteger crianças e adultos do calor intenso.

0 comentários
Compartilhe com os amigos

6 dicas para descartar esmaltes velhos do jeito certo

Créditos: Avon Color Trend

Sem os devidos cuidados, componentes químicos do produto podem contaminar solo e água

Os esmaltes vencidos precisam de alguns cuidados na hora do descarte, pois, se forem jogados fora da forma errada, podem causar danos severos ao meio ambiente devido aos compostos químicos presentes no produto.

O consultor ambiental Alessandro Azzoni ensina qual é  jeito certo de descartar esmaltes. "Não é um difícil nem demorado e contribui para a preservação do meio ambiente", diz.

Como jogar esmalte fora

- Nunca jogue o vidro de esmalte no lixo comum. Isso faz com que ele acabe indo para um aterro e, ao se quebrar, os compostos químicos podem atingir o lençol freático e contaminar a água.

Crédito: Thinkstock
- Se ainda houver esmalte no vidro, a dica é reaproveitá-lo para pintar algum objeto, como copos, vasos e esculturas.

- Caso o esmalte não possa ser aproveitado, jogue-o em uma folha de papel e espere alguns minutos até a química evaporar. Esse papel pode ser colocado no lixo comum.

- O vidro, mesmo vazio, precisa estar limpo antes de ser jogado fora. Para isso, coloque um pouco de removedor ou acetona e mexa até dissolver o que ainda resta.

- Depois de limpo, o vidro pode ser descartado junto com os demais vidros para reciclagem. É importante lembrar de separar a tampa, que é de plástico, e colocar cada material em seu devido lugar.

- Há lojas especializadas em produtos de beleza que disponibilizam coletores de vidros de esmaltes. Procure se informar sobre a mais próxima de você.  

Matéria extraída do site Itodas Uol.

1 comentários
Compartilhe com os amigos

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *